Voltar

Laboratório de Astronomia do CTG abre ao público todas as terças a partir de amanhã (18)

Público admirador da astronomia pode usar três telescópios, um refrator e dois refletores, que possuem ampliação que vão de 70 a 230 vezes

O Laboratório de Astronomia (Laastro) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), aberto ao público para observação toda terça-feira, reinicia suas atividades amanhã (18), das 18h30 às 21h, no 10° andar do Centro de Tecnologia e Geociências (CTG). O público admirador da astronomia pode usar três telescópios, um refrator e dois refletores, que possuem ampliação que vão de 70 a 230 vezes. Os participantes que tiverem telescópio podem levá-lo para compartilhar as imagens com os colegas. A iniciativa, que é uma atividade de extensão permanente e conta com apresentação de temáticas envolvendo astronomia, teve início em 2016.

“As principais observações com telescópios são os planetas, a lua e as estrelas mais brilhantes visíveis. Os eventos astronômicos como os eclipses e trânsitos que tenham algum planeta na frente do sol são sempre observados”, explica o coordenador do laboratório, professor Silvio Garnés. Esta época do ano é propícia para observação por não ter se iniciado ainda o período chuvoso. O planeta Vênus e a constelação de Orion são os destaques no céu. O público pode trazer crianças e mostrar as elas de pertinho as crateras da lua. “É possível também ficar conhecendo a constelação de seu signo e ver satélites artificiais percorrendo o céu noturno como se fosse um vagalume no céu”, afirma.

“O Laastro faz parte da estrutura de laboratórios do Departamento de Engenharia Cartográfica do CTG, onde são ministradas as aulas práticas das disciplinas de Astronomia Geodésica e Determinações Astronômicas, desde a década de 1970, fazendo parte do perfil profissional do engenheiro que precisa do posicionamento terrestre e da orientação do norte geográfico a partir dos astros (métodos usados pelos antigos navegadores)”, explica o professor. “Para essas aulas de astronomia de posição são utilizados equipamentos tais como teodolitos e estações totais que permitem medir os ângulos entre os astros com 1" de arco, em precisão”, complementa.

Data da última modificação: 17/02/2020, 13:19