Voltar

Ato Político-Pedagógico discute legado de Paulo Freire para a educação e a democracia

Encontro reuniu diversas entidades para celebrar os 99 anos do nascimento do educador pernambucano

A defesa da democracia deu o tom do evento “Paulo Freire em Setembro – Ato Político-Pedagógico”, realizado on-line no sábado (19) pela Cátedra Paulo Freire da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em conjunto com o Centro Paulo Freire – Estudos e Pesquisas e o Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Pernambuco (Sintepe). Com o tema “Denúncia, anúncio e humanização”, o encontro reuniu diversas entidades para celebrar os 99 anos do nascimento do educador pernambucano e pode ser visto na íntegra no YouTube do Sintepe. 

“Paulo Freire fez da vida e das ideias instrumentos para viver a amorosidade, o diálogo, a esperança e o ser mais, através de uma teoria e de uma pedagogia libertadoras”, afirmou a professora Eliete Santiago, coordenadora da Cátedra Paulo Freire. Para ela, a universidade pública não pode deixar de dar o seu testemunho freiriano e é preciso “viver o centenário de Paulo Freire como trabalho, memória e luta”. O pró-reitor de Extensão e Cultura (Proexc), Oussama Naouar, frisou a necessidade de homenagear o pedagogo neste momento e falou sobre sua importância para a educação.

O reitor Alfredo Gomes ressaltou a relevância de valores como democracia, diálogo e esperança para efetuar mudanças na obra de Paulo Freire, que ele considera uma referência fundamental. “Ele é, sem sombra de dúvida, um símbolo, um norteador desse processo das práticas concretas que nos fazem sonhar, com os pés no chão, para realizar mudanças”, disse o reitor. “Mais do que nunca, precisamos de Paulo Freire para reforçar a nossa democracia e a educação é um dos veículos mais privilegiados para que possamos fazer isso”, completou o vice-reitor Moacyr Araújo.

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo, lembrou uma fala do autor na busca de uma sociedade digna para todos e para todas: “Esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo”. A atividade contou com uma mesa temática, um momento artístico-cultural e um ato político-pedagógico. O fechamento ficou a cargo de Ana Maria Saul, coordenadora da Cátedra Paulo Freire da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, primeira do país. Para ela, a melhor forma de homenagear Freire é estudando seu pensamento para compreendê-lo e reinventá-lo.

Data da última modificação: 21/09/2020, 17:39